Por que cotas raciais são necessárias?

Informática

Culinária

Moda

Games

Automóveis

Viagens

Interessante

Música

Cinema

Meio Ambiente

Relacionamento

Política

Saúde

Dicas Diversas

Por que cotas raciais são necessárias?
Por Camila Naxara | Publicado em 21 de março de 2021 ás 02:03

A importância das cotas raciais está associada ao conceito da equidade aristotélica. A teoria de Aristóteles resume-se em tratar desigualmente os desiguais – reconhecendo que toda a pessoa necessita de cuidados, mas não necessariamente dos mesmos cuidados – promovendo assim, uma efetiva igualdade.

Por exemplo, se duas pessoas forem concorrer nas mesmas condições, tendo vidas completamente distintas no âmbito econômico, social e educacional, certamente a desigualdade será perpetuada.

Logo, as ações afirmativas surgiram como medidas temporárias que, buscam eliminar desigualdades historicamente acumuladas.

Onde o erro foi perpetuado

O regime escravocrata perdurou por quase quatro séculos, sendo abolido em 1888 após a Lei Áurea – sancionada pela Princesa Isabel. A lei concedeu liberdade total aos então escravos (cerca de 700 mil), abolindo a escravidão no país.

Entretanto, o processo de abolição não foi tão simples assim. Em 1887, a situação no país já havia se tornado insustentável. Espalhavam-se pelo país, várias revoltas por parte dos escravos que, opunham-se contra seus senhores e fugiam.

Movimentos Abolicionistas se organizavam de diferentes formas: estabelecendo conferências e divulgando panfletos. As autoridades já não conseguiam manter o controle.  

Em suma, a abolição resultou diretamente do engajamento e pressão popular sobre o império. Não foi benevolência alguma por parte da monarca. 

Os negros, agora livres, não receberam garantia alguma do estado ou ação de politicas públicas a seu favor. Foram expulsos das fazendas e os senhores foram totalmente eximidos da responsabilidade pela segurança e manutenção deles.

Durante a transição do trabalho escravo para o assalariado, não era o negro que estava em pauta nas ações políticas brasileiras. Sobretudo, a pauta era a introdução de trabalhadores europeus que, foram atraídos por uma grande campanha publicitária, que lhes prometia uma vida melhor no sul e passagem subsidiada pelo governo.

Por fim, o negro se viu abandonado à própria sorte, numa sociedade extremamente racista. Os recém libertos não encontravam oportunidade alguma. Ninguém empregava negros.

Os negros ganharam a liberdade, mas ficaram sem moradia, emprego e excluídos, visto que não havia mecanismo algum de inclusão eles.  Consequentemente, saíram das senzalas para as favelas.

A importância das Cotas

Muitas pesquisas sociais e demográficas mostram que os autodeclarados pretos ou pardos, são maioria nos índices de analfabetismo e desemprego, além de ter menor renda mensal.

Já as estatísticas de cor ou raça, produzidas pelo IBGE, mostram que em média, brancos tem maiores salários, sofrem menos com desemprego e são maioria entre os que frequentam o ensino superior.

Por isso a importância das cotas raciais. Este problema social só pode ser resolvido com a adoção de politicas publicas, como o sistema de cotas. Tais politicas visam reparar aqueles que foram sistematicamente marginalizados e excluídos da sociedade durante tanto tempo. 

Críticos da politica de cotas e do estatuto da igualdade pregam que tais medidas passam a ideia de que o negro é inferior ou incapaz. Entretanto, esta é uma visão totalmente equivocada – por falta de conhecimento histórico – ou maldosa. 

Negros e pardos representam mais da metade da população brasileira. Contudo, se fazem minoria em espaços considerados importantes como cargos de liderança, cargos de relevância social e possuem pouca representatividade no ensino superior.

A quantia de negros dentro de universidades é praticamente insignificante se comparado ao número de brancos. Toda essa desigualdade é consequência direta da escravidão. Logo após a abolição, a taxa de desemprego e falta de estudo era de 90% entre a população negra.

Foi-lhes negado OPORTUNIDADE!

Infelizmente, não podemos mudar o passado. Não há como voltar no tempo e dar-lhes tudo o que lhes foi negado. Mas, podemos alterar o futuro, oferecendo a população negra, chances de capacitação e qualificação, para atender as demandas do mercado de trabalho.

Nós temos uma dívida histórica para com o povo preto e a inclusão destes através das cotas raciais é uma forma de reparar esta dívida. Tal ação afirmativa vem para equilibrar uma sociedade totalmente desigual e é importantíssima para a transformação social.

Cota não é privilégio, é reparação. É um processo para fazer justiça à mão escravagista que construiu essa nação.

Veja +
() Comente pelo Facebook