A história de Chernobyl, a cidade fantasma

Informática

Culinária

Moda

Games

Automóveis

Viagens

Educação

Música

Cinema

Meio Ambiente

Relacionamento

Política

Saúde

Dicas Diversas

A história de Chernobyl, a cidade fantasma
Por Bibi | Publicado em 4 de agosto de 2018 ás 19:36

No dia 26 de abril de 1986, vários erros na usina de Chernobyl ocasionaram o pior desastre nuclear da história. Uma gigantesca explosão criou uma nuvem de material radioativo que devastou e envenenou milhares de quilômetros por toda a Rússia, Ucrânia, Bielorrússia e fez com que mais de 100 mil pessoas saíssem as pressas de suas casas e cidades atrás de um lugar seguro.

Para além de problemas humanitários e ambientais, o incidente também trouxe graves consequências para políticas econômicas.

 

Chernobyl

 

Chernobyl é o pior desastre nuclear da humanidade devido ao seu custo e mortes decorrentes, sendo classificado como um incidente de nível 7, que é a classificação máxima na Escala Internacional de Acidentes Nucleares.

A luta contra a radiação para evitar uma catástrofe ainda maior, visto que a usina tinha material radioativo o suficiente para contaminar toda a Europa, contou com mais de 500 mil trabalhadores e teve um custo calculado em 18 bilhões de Rublos.

*Rublo é o nome da moeda da Federação Russa, e 1 rublo russo equivale a 0,059 real brasileiro.

 

Chernobyl

 

O governo soviético tentou ocultar o incidente da comunidade internacional, mas radiação em altos níveis foram detectadas em países vizinhos.

A central nuclear de Chernobyl está localizada em Pripyat, uma cidade construída, a princípio, devido ao grande número de trabalhadores necessários para a construção da usina, que se iniciou em 1977, e com o passar dos anos se consolidou e abrigava a grande maioria dos trabalhadores e familiares dos trabalhadores da usina.

Os habitantes da cidade de Pripyat foram evacuados um dia após o incidente nuclear, no dia 27 de abril de 1986, e ao longo de 10 dias mais de 130 mil pessoas foram evacuadas de outras regiões próximas.

 

Chernobyl

 

Apesar da dificuldade em mensurar o real número de vítimas, um estudo lançado pelo Greenpeace em abril de 2006, baseado em estudos de mais de 60 cientistas ucranianos e russos, mostra que o número de mortes somente na Rússia, nos últimos 15 anos. excede a 60 mil, e 140 mil na Ucrânia e Belarus.

Esse número pode ser ainda maior devido a pessoas que ainda não morreram, mas que desenvolveram vários tipos de câncer por causa da radiação.

 

Chernobyl

 

Atualmente, após 30 anos do maior incidente nuclear da humanidade, Chernobyl recebe visitações de turistas de todo o mundo, muitos visitantes denominam Chernobyl como o maior museu a céu aberto da história.

O grande número de visitações se da ao crescente apreço pelo cenário pós apocalíptico e a relação da natureza com com os impactos nucleares, muito visto em filmes e jogos de vídeo game.

 

Chernobyl

 

Não é possível morar em Chernobyl e Pripyat, isso porque o reator que explodiu possuía 180 toneladas de combustível nuclear, dos quais 2% (3,6 mil kg) eram urânio puro.

Estudos estimam 20 mil anos para que Chernobyl volte a ser habitada.

 

Chernobyl

 

Mais curiosidades sobre Chernobyl?

Confira o vídeo do canal Nostalgia, lançando semana passada. Fikdik!

Veja +
() Comente pelo Facebook